Oitenta pretos africanos, novos, em um coió, debaixo do sal: tráfico internacional de africanos escravizados (Angola – Rio de Janeiro - Brasil meridional, 1836)

  • Paulo Roberto Staudt Moreira Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Palabras clave: escravidão, tráfico internacional de escravos, Angola.

Resumen

Em janeiro de 1836 adentrou o porto de São José do Norte, no Brasil meridional, o patacho Dois Irmãos, vindo do Rio de Janeiro. Ao fazer a visita rotineira da embarcação, a guarda daquela barra encontrou a bordo, além da tripulação (de 9 pessoas livres e um preto ladino) e um passageiro português, 80 pretos africanos novos escondidos em um coió, debaixo da carga de sal.  A carga ilegal, tendo em vista a lei de 07.11.1831, vinha do Rio de Janeiro e tinha sido colocada a bordo ao pé das Ilhas das Cagarras e Redonda. Os “43 pretos africanos e 37 pretas ditas” foram embarcadas no litoral de Angola e trazidas ao Rio de Janeiro, onde após um ano foram reconduzidos para o mercado escravista meridional. O sal e os africanos ilegalmente escravizados, provavelmente seriam consumidos pela economia charqueadora local, apesar daquela embarcação já ter se envolvido em contrabandos com o Uruguai. O artigo investigará, a partir do cruzamento de um documento judicial com outras fontes primárias, as ligações do tráfico internacional transatlântico com o abastecimento ilegal de escravos no Brasil meridional, além da relação da justiça com esse comércio ilegal.

Citas

ACIOLI, G., MENZ, M. Resgate e mercadorias: uma análise comparada do tráfico luso-brasileiro de escravos em Angola e na Costa da Mina (Século XVIII). Afro-Ásia. n. 37, 2008, pp. 43-73.
AL-ALAM, Caiuá Cardoso. A Negra Forca da Princesa: Polícia, Pena de morte e Correção em Pelotas (1830-1857). Dissertação (Mestrado em História). São Leopoldo, PPGH / Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, 2007.
ALENCASTRO, L. F. O trato dos viventes. Formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
ANDREWS, George Reid. Negros en la Nación Blanca: Historia de los afro-uruguayos, 1830-2010. Montevidéu, Libreria Linardi y Risso, 2010.
BERUTE, Gabriel Santos. Dos escravos que partem para os portos do sul: características do tráfico negreiro do Rio Grande de São Pedro do Sul, c. 1790- c. 1825. [Dissertação de Mestrado]. Porto Alegre, PPGH / Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006.
____________________. Rio Grande de São Pedro do Sul, c. 1790 – c; 1830: tráfico negreiro e conjunturas atlânticas. (1740-1777). XAVIER, Regina Célia Lima. Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional. São Paulo, Alameda, 2012: p. 207/228.
___________________. Atividades Mercantis do Rio Grande de São Pedro: negócios, mercadorias e agentes mercantis (1808 – 1850). Tese (Doutorado em história) - UFRGS- PPGH, Porto Alegre, 2011.
BORUCKI, Alex, CHAGAS, Karla y STALLA, Natalia. Esclavitud y Trabajo. Un estudio sobre los afrodescendientes en la frontera uruguaya, 1835-1855. Montevideo, Pulmón Ediciones, 2004.
CASAS, Lincoln R. Maiztegui. Orientales. Uma Historia Política Del Uruguay. Tomo 1. De los orígenes a 1865. 2ª edição, Montevidéu, Planeta, 2010,
CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil Oitocentista. São Paulo: Companhia das letras, 2012.
CHALHOUB, Sidney. Precariedade estrutural: o problema da liberdade no Brasil escravista (século XIX). Revista de História Social, n. 19, 2010.
FERREIRA, R. Dinâmica do comércio intra-colonial. Geribitas, panos asiáticos e guerra no tráfico angolano de escravos (século XVIII), in FRAGOSO, João, BICALHO, M. F., GOUVÊA, M. de F. (Orgs.). O antigo regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (Séculos XVI – XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, pp. 339-378.
FLORENTINO, Manolo. Em costas negras. Uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
FLORES, Moacyr. Contrabando de Escravos. Porto Alegre: Pradense, 2013.
FORTES, Amyr Borges; WAGNER, João Baptista Santiago. História administrativa, judiciária e eclesiástica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Globo, 1963.
GUTIERREZ, Ester J. B. Negros, charqueadas e olarias: um estudo sobre o espaço pelotense. 2ª ed. Pelotas: Ed. Universitária/UFPEL, 2001.
ISOLA, Ema. La esclavitud en el Uruguay. Desde sus comienzos hasta su extinción (1743-1852). Publicacion de la Comision Nacional de Homenaje del sesquicentenario de los hechos historicos de 1825, 1975.
JEHA, Silvana Cassab. A Galera Heterogênea: naturalidade, trajetória e cultura dos recrutas e marinheiros da Armada Nacional e Imperial do Brasil, c.1822-c.1854. Tese (Doutorado em história) – PUCRJ, Rio de Janeiro, 2011.
KLEIN, Herbert. O Tráfico de escravos no Atlântico. Novas abordagens para as Américas. Ribeirão Preto, SP, FUNPEC editora, 2004.
KUHN, Fabio. Clandestino e ilegal: o contrabando de escravos na Colônia do Sacramento (1740-1777). XAVIER, Regina Célia Lima. Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional. São Paulo, Alameda, 2012: p. 179/205.
KÜHN, Fábio & COMISSOLI, Adriano. Administração na América portuguesa: a expansão das fronteiras meridionais do Império (1680-1808). Revista de Historia (USP), v. 169, p. 53-81, 2013
LELLO UNIVERSAL. Novo Dicionário-Enciclopédico Luso-Brasileiro. Vol. 1. Porto: Lello& Irmão, s/d.,.
LOPES, G. A. Negócio da Costa da Mina. Tabaco, açúcar, ouro e tráfico de escravos – Pernambuco, 1654-1760. Tese de Doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.
MAMIGONIAN, Beatriz G. Africanos Livre:a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.
OLIVEIRA, Vinicius Pereira. Sobre Águas Revoltas: cultura política maruja na cidade portuária de Rio Grande/RS (1835-1864). Tese (Doutorado em História). PPGH - UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.
OSÓRIO, Helen. O império português no sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.
PINTO, Natália Garcia. A benção Compadre: experiências de parentesco, escravidão e liberdade em Pelotas, 1830/1850. Dissertação de Mestrado. São Leopoldo, UNISINOS, 2012.
PINTOS, Aníbal Barrios. Historias privadas de la esclavitud: um processo criminal em tempo de la Cisplatina. In: BARRAN, José Pedro; CAETANO, Gerardo; PORZECANSKI, Teresa. Historias de la Vida Privada em el Uruguay. Montevidéu, Ediciones Santillana, 1996, p. 173 – 195.
RODRIGUES, Jaime. De Costa a Costa. Escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo, Companhia das Letras, 2010.
____________. O Infame Comércio: propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Unicamp, 2000.
RODRÍGUEZ, José A. Victoria. Evolución Histórica de la policia uruguaya. Tomo 1. Montevidéu, Biblos, 2005, p. 259.
SCHERER, Jovani de Souza. Experiências de busca pela liberdade. Alforria e comunidade africana (Rio Grande, século XIX). Dissertação (Mestrado em história) – Programa de Pós-graduação em História / Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2008.
SOARES, C. E. L.; GOMES, F.; GOMES, J. B. F. No Labirinto das Nações. Africanos e Identidades no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2005.
STUDER, Elena F. S. de. La trata de negros em el Rio de la Plata durante el siglo XVIII. Montevidéu, Libros de Hispanoamérica, 1984.
THOMPSON FLORES, Mariana Flores da Cunha. Contrabando e Contrabandistas na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul (1851-1864). Dissertação (Mestrado em história) – Programa de Pós-graduação em história / História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.
VARGAS, Jonas Moreira. Pelas Margens do Atlântico: Um estudo sobre elites locais e regionais no Brasil a partir das famílias proprietárias de charqueadas em Pelotas, Rio Grande do Sul (século XIX). Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-Graduação em História, UFRJ, Rio de Janeiro, 2013.
Publicado
2019-12-16