Clube Guarani: uma narrativa etnográfica das vivências de um clube negro no extremo sul do Brasil

  • Marilia Floôr Kosby Université de Liège - Bélgica

Resumen

Este artigo tem por objetivo apresentar algumas narrativas etnográficas tecidas durante pesquisa realizada junto às famílias negras que fundaram o Clube Guarani, na cidade brasileira de Arroio Grande, localizada próximo à fronteira com o Uruguai, região fortemente marcada pelo latifúndio, a escravidão, o patriarcado. Fundado em 1920, com o intuito de reunir em sociabilidade as famílias que eram proibidas de frequentar os demais clubes sociais da cidade, devido à discriminação racial, o Guarani é considerado por seus fundadores e sócios uma só família. Com aportes do campo da Antropologia Urbana e das Etnografias das Populações Afro-americanas, este trabalho reúne ao tema das associações negras no sul do continente americano as motivações, dilemas e alegrias que permearam a trajetória do Clube, desde sua fundação até sua transformação em Ponto de Cultura. Consideram-se, portanto, os fenômenos em seus múltiplos cruzamentos de racialidade, gênero e classe.

Citas

ANJOS, J. C. G. dos (2006). No território da Linha Cruzada: a cosmopolítica afro-brasileira. Porto Alegre: Editora da UFRGS-Fundação Cultural Palmares.
ANDREWS, G. R. (2011). Negros en la nación blanca. Historia de los afro-uruguayos, 1830-2010. Montevideo: Linardi y Risso.
ÁVILA, R.; SEVILLA, G. E CARNEIRO FILHO, C. (2012). Faixa de fronteira do Rio Grande do Sul: economia, infraestrutura e gestão do território. Porto Alegre: Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser.
BORUCKI, Á. (2015). From Shipmates to Soldiers. Emerging Black Identities in the Río de la Plata. New Mexico: U. New Mexico Press.
BORUCKI, A.; CHAGAS, K. E STALLA, N. (2004). Esclavitud y trabajo. Un estudio sobre los afrodescendientes en la frontera uruguaya 1835-1855. Montevideo: Pulmón.
COLLINS, P. H. (2017). Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Parágrafo: Revista Científica de Comunicação Social da FIAM-FAAM, 5 (1), 6-17. Disponível em: http://www.revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/559
CORRÊA, F. (Org.) (2004). Revista Tempos. Pelotas: Gráfica e Editora Cefet.
ESCOBAR, G. V. (2010). Clubes sociais negros: lugares de memória, resistência negra, patrimônio e potencial. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Maria. Programa de Pós-Graduação Profissionalizante em Patrimônio Cultural.
GUATTARI, F. (1992). Caosmose. Rio de Janeiro: Ed. 34.
GOLDMAN, G. (2008). Lucamba. Herencia africana en el tango. 1870-1890. Montevideo: Perro Andaluz Ediciones.
GOLDMAN, M. (2006). Como funciona a democracia: uma teoria etnográfica da política. Rio de Janeiro: Editora 7Letras.
GOLDMAN, M. (2015). “Quinhentos anos de contato”: Por uma teoria etnográfica da (contra)mestiçagem. Mana, 21 (3), 641-659. doi: 10.1590/0104-93132015v21n3p641.
INGOLD, T. (2014). That’s Enough About Ethnography!. Hau: Journal of Ethnographic Teory, 4 (1), 383-395. Disponível em: https://www.journals.uchicago.edu/doi/full/10.14318/hau4.1.021
LONER, B. A. (2001). Construção de classe: operários de Pelotas e Rio Grande (1888-1930). Pelotas: Ed. Universitária/UFPel-Unitrabalho.
LUGONES, M. (2008). Coloniality and Gender. Tabula Rasa, (9), 73-102. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1794-24892008000200006
MAESTRI, M. A (2006a). Ocupação do Território (Da luta pelo território à instalação da economia pastoril-charqueadora escravista). Passo Fundo: UPF.
MAESTRI, M. (2006b). O escravo no Rio Grande do Sul. 3.ª ed. Porto Alegre: UFRGS.
PALERMO, E. (2013). Tierra Esclavizada. El norte uruguayo em la primera mitad del siglo XIX. Montevideo: TierrAdentro.
PEREZ, L. F.; AMARAL, L. E MESQUITA, W. (Orgs.). Festa como perspectiva e em perspectiva. Rio de Janeiro: Garamond.
QUADRADO, B. F. (2012). “Cultura também é festa”- Patrimônio e Memória. Do Clube Guarani ao Ponto de Cultura Axé Raízes (Arroio Grande, RS). Monografia apresentada ao Curso de Licenciatura Plena em História da Universidade Federal de Pelotas. 2012.
QUADRADO, B. F. (2016). “Era meu sonho ser Miss Mulata”: A representação da mulher negra e mulata em um concurso de beleza 1969- 1999 (Arroio Grande, RS). Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pelotas.
RAMA, Á. (2004). Transculturación narrativa en América Latina. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores.
RIETH, F. et al. (2013). Inventário Nacional de Referências Culturais - Lidas Campeiras na Região de Bagé/RS (Relatório Final). Vol. 1. Pelotas: Complexo Criativo Flor de Tuna.
RODRÍGUEZ, R. J. (2006). Mbundo. Malungo a mundele. Historia del movimiento afrouruguayo y sus alternativas de desarrollo. Montevideo: Rosebud.
SAMPAIO, E. G. DOS S. (2010). Clube Instrução e Recreio: Família de Rainhas no carnaval arroio-grandense no século XX. Monografia apresentada ao Curso de Licenciatura Plena em História da Universidade Federal de Pelotas.
SCHLEE, A. G. (2014). Linguagem de fronteira. Vox. Porto Alegre: Corag/IEL, (7).
SEGATO, R. L. (2012). Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. e-cadernos CES, 18.
SILVA, F. OLIVERIA DA. (2017). As lutas políticas nos clubes negros: culturas negras, racialização e cidadania na fronteira Brasil-Uruguai no pós-abolição (1870-1960). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
WAGNER, R. (2010). A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify.
Publicado
2019-12-17